quinta-feira, 9 de agosto de 2012

127 Horas



Este filme é baseado na história verídica do montanhista Aron Ralston, que no filme é interpretado por James Franco, que luta por sobreviver depois de ficar preso num desfiladeiro no Utah, Estados Unidos da América. Durante o tempo que está a tentar arranjar uma solução para sair dali, Ralston recorda a família, os amigos,as duas caminhantes que conheceu antes do acidente.

"127 Horas" [título português] foi dos poucos filmes que me intrigou ultimamente, pois senti-me no lugar do montanhista. Se eu estivesse na situação dele provavelmente entraria em pânico ou morreria, o filme é muito claustrofóbico e há cenas que tem cenas que me deram a volta ao estômago, principalmente a parte em que ele teve de cortar o braço. Durante os cinco dias que ficou preso, Aron tinha muita pouca água para sobreviver e ia gravando com a sua câmara o relato destes dias em que estava no meio do nada.

Apesar disto tudo o filme tem alguns pontos negativos, penso que haja partes um bocado monótonas e aborrecidas, logo no início. Mas prima por nos colocar na pele do protagonista e tenho a dizer que a caracterização de James Franco está muito boa, um filme que me arrepiou e intrigou.

Além disto tudo a banda sonora é muito boa, aconselho. James Franco está excelente na cena em que a personagem entra em paranóia, onde parece estar a entrevistar-se a si próprio com alguma comédia. As alucinações que ele tem, o desespero e as dores são tudo coisas que mexem um bocado conosco, pelo menos mexeram um bocado comigo.

"127 Hours" [título original] é um filme de 2010, mas que em Portugal apenas estrou a 24 de fevereiro de 2011. O filme é realizado por Danny Boyle, que divide o cargo de argumentista com Simon Beaufoy e é baseado no livro "Between a Rock and a Hard Place", escrito pelo próprio Aron Ralston. O elenco principal é apenas e só James Franco, que carrega o filme às costas. No elenco secundário temos Kate Mara, Amber Tamblyn, Sean Bott, Treat Williams, Koleman Stinger, John Lawrence, Parker Hadley, Kate Burton e Lizzy Caplan, entre outros.

Por estar no lugar do protagonista também eu me senti aliviado quando este conseguiu sair do desfiladeiro, conseguindo respirar mais facilmente e sem estar enclausurado. Aconselho vivamente a verem o filme, mas não aconselho que pessoas claustrofóbicas vejam "127 Horas".



4*

6 comentários:

  1. Ando há tempo para ver o filme, mas como já me contaram o final vezes sem conta, fica cada vez mais esquecido no "baú".
    Frederico, escreves com entusiasmo, mas tens que treinar mais, para evitar tantas vezes a repetição de palavras e de ideias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde... Obrigado pelo seu comentário, mas uma coisa é certa é quase impossível não "spoilar" um bocado o final, pois todos sabemos que o senhor sobreviveu.
      Sobre a repetição de palavras e ideias é uma coisa que já estou a apostar, mas por vezes quando escrevo parece que me esqueço de outras palavras que poderia utilizar, por vezes já me deu "brancas" e tive de recorrer ao Priberam para encontrar a palavra certa.

      Eliminar
    2. Para descobrir sinónimos costumo usar a ferramenta do Microsoft Word. Também indica erros ortográficos e é fácil de usar!

      Eliminar
    3. Pois o meu problema é que essa ferramenta pifou e nem sei como :D

      Eliminar
  2. Nao conhecia o teu blog, vou começar a segui-lo! Concordo com a maioria do que disseste, também é um filme que aconselho vivamente. Achei o cumulo nao ter ganho o Oscar de Melhor Argumento Adaptado ou da Banda Sonora.

    Cumprimentos,

    Sarah
    Http://depoisdocinema.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia cara Sarah, antes de mais obrigado pela sua opinião e fico agradecido de começar a seguir o blog...
      Também eu me tornei seguidor do seu blog e concordo com o que a senhora disse é um filme para se ver e aconselhar aos outros.
      Acerca do Óscar de Melhor Argumento Adaptado não me lembro qual venceu, mas penso que este dadas as circunstâncias está muito bem adaptado.

      Eliminar