sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Sherlock Holmes: Jogo de Sombras


Este foi o primeiro filme que vi no cinema em 2012, confesso que já estava com saudades de ir ao cinema, de entrar na sala. Saudades de ver os trailers, ver o filme em si e de comer algumas (mas poucas) pipocas. Estava com saudades do cinema em si, uma arte viva que me fascina. Este ano vai haver muito bom filme a estrear, agora resta é esperar.

“Sherlock Holmes: Jogo de Sombras” ou “Sherlock Holmes: A Game of Shadows”, título original, é um excelente filme. Esta sequela de “Sherlock Holmes”, já tratado neste blog, traz mais ação, mais explosões e mais aventuras. Com este filme aparecem novas personagens, novas peripécias e novos enredos.

O filme é explosivo e é, na minha opinião, melhor do que o primeiro. Destaco neste filme os efeitos visuais que estão excelentes, são imparáveis. O que faz com que o filme tenha um ritmo acelerado. A versão digital ainda ajuda mais a perceção destes efeitos sonoros e visuais, um filme passado na antiguidade mas com efeitos da atualidade.

Neste filme descobre-se que Sherlock Holmes (Robert Downey Jr) tem um rival à altura, inteligente e perspicaz como ele. Esse rival é James Moriarty (Jared Harris), que é intelectualmente igual a Holmes, mas é anarquista, perigoso e um homem sem escrúpulos.

Sherlock conta com a ajuda de John Watson (Jude Law) e do seu irmão Mycroft Holmes (Stephen Fry) para travarem o Professor James Moriarty. Ao tentar descobrir o que Moriarty está a preparar Sherlock envolve-se em várias peripécias, algumas bem cómicas. Neste filme há o casamento do Dr John Watson com a sua amada Mary (Kelly Reilly), mas a lua-de-mel não corre como previsto.

Holmes neste filme tem imensos disfarces, imensas artimanhas e variadas peripécias, o riso conta de nós por alguns momentos. A ação toma também conta de nós e passa pela nossa pele um espírito de adrenalina que ganhámos ao ver o filme, repleto de bombas a explodir ou as personagens ‘a correr pela vida’. Pura ação numa época antiga vista por pessoas na era atual.

Sherlock Holmes está rodeado de mulheres e neste filme aparece mais uma, a cartomante Madam Simza Heron (Noomi Rapace), Sim para os amigos. Além de Sim temos Iren Adler (Rachel McAdams), aqui com uma participação mais pequena, Mary Watson que tem um papel mais ativo neste filme e temos a senhoria de Holmes, Mrs Hudson (Geraldine James).

A investigação que Sherlock Holmes tem a seu cargo e leva-o por todo o continente europeu. Sherlock, Watson e Sim passam por Inglaterra, França, Alemanha e Suíça, protegendo-se, ajudando-se e auxiliando-se mutuamente.

Mas Moriarty é astuto e está sempre um passo à frente de Holmes, deixando-lhe um rasto até ao grande encontro. Moriarty deixa também um rasto de morte e destruição, sem nunca deixar rastos e sem descobrirem que a culpa é sua.

No entanto, Sherlock Holmes é esperto e inteligente e vai ao encontro do seu rival, revelando as ideias de Moriarty. O destino da Europa e do Mundo está nas mãos de Sherlock Holmes, pode correr tudo bem, mas pode correr tudo mal.

Os efeitos e a ação são incansáveis, adorável. Este filme é um dos blockbusters deste inverno. A banda sonora é também fantástica, acompanha bem as cenas do filme.

A parte final está excelente e tem características dos livros de Arthur Conan Doyle. Será que Holmes conseguirá travar Moriarty?

Eu vi e não me arrependi de ver o filme, veja-o você também. Veja este filme de ação, veja “Sherlock Holmes: Jogo de Sombras”.


5*

2 comentários:

  1. Gostei. Acho que a química entre Law/ Doeney Jr. está lá, os efeitos especiais são bons, tem um bom ritmo, mas acho que o primeiro é melhor (neste tentaram que fosse um blockbuster ainda maior e isso não favoreceu a história)

    ResponderEliminar